23 de out de 2011

ORQUÍDEAS

Conta-se que há cerca de 3.000 anos, a Rainha de Sabá estava indecisa sobre como presentear o Rei Salomão. Afinal, o que poderia encantar um rei tão poderoso? Uma escrava lhe trouxe a decisão: "ao maior dos reis, leve um feixe de orquídeas". Passado tanto tempo, o fascínio ainda persiste e as orquídeas continuam a aumentar sua legião de fãs e apaixonados.


Luz


A exposição direta à luz solar causa queimaduras nas folhas da maioria das orquídeas. A condição de iluminação mais recomendada é a de 50 a 70% de sombra, que é obtida ao cultivar as orquídeas sob árvores, telados ou ripados. Varandas ou áreas de serviço de apartamentos também são bons locais, mas é preciso cuidado, nesses casos, para que as orquídeas recebam o sol da manhã. Alguns especialistas afirmam que em apartamentos, os melhores lugares para as orquídeas são atrás da janela do banheiro ou um terraço envidraçado, onde há luz filtrada. Para saber se as condições de iluminação estão adequadas, é só observar a planta: folhas amareladas indicam excesso de luz; já as folhas estreitas, longas e de cor verde bem escura indicam iluminação deficiente. Plantas como Vanda, Dendrobium, Cymbidium e várias espécies de Oncidium suportam luminosidade mais intensa, enquanto que Phalaenopsis, Miltonia, Laelia e Pumilan preferem baixa luminosidade.

Temperatura

A maioria das orquídeas toleram variações de temperatura entre 10 a 400 C, mas a temperatura ideal fica em torno de 25 graus. Orquídeas como Phalaenopsis e Vanda preferem temperaturas mais altas, enquanto que as Miltonias, Cymbidiums, e Paphilopedilum se dão melhor com temperaturas mais amenas.

Vasos e substratos

Recomenda-se evitar o uso de vasos muito grandes. Pode-se usar tanto os vasos de barro como os de plástico, mas as fibras de xaxim (não confundir com pó de xaxim) são ainda o substrato que dão melhores resultados. Atualmente também há a opção da fibra de coco, igualmente eficiente e mais ecológica. Certas espécies de orquídeas, como Cattleya walkeriana, C. Nobillor, C. Schilleriana, C. Acladiae e a maioria das espécies de Oncidium desenvolvem-se melhor sobre placas xaxim ou pedaços de casca de madeira do que em xaxim desfibrado.

Adubação

A fórmula NPK (nitrogênio, fósforo e potássio) deve ser aplicada a cada duas semanas, na proporção de 1 colher (café) por litro de água, durante a primavera e o verão. A adubação pode ser suspensa nos meses do outono e inverno. Uma boa opção de adubação orgânica é a torta de mamona (1 colher de sobremesa por vaso), que pode ser fornecida uma vez ao ano, depois que o sistema radicular estiver bem desenvolvido.

PARA SABER MAIS http://www.jardimdeflores.com.br

9 de out de 2011

POR QUE AS FLORES TEM PERFUME?


A flor tem perfume para atrair animais que fazem a polinização, ou seja, espalham o pólen para a espécie poder se reproduzir. Ele é ‘fabricado' nas glândulas aromáticas localizadas no cálice (o bumbum da flor) ou próximas à pétala. O cheiro - que só exala quando ela está aberta - atrai bichinhos, como abelha e beija-flor, que se alimentam do néctar, a substância açucarada produzida pela planta. Ao sugar o néctar, o pólen gruda neles.
Cada uma tem cheiro específico para agradar determinado inseto ou ave. A flor de laranjeira, por exemplo, tem aroma doce para se manter rodeada de abelhas. Outras são consideradas fedidas pelos humanos e cheirosas pelos bichinhos, como a flor de jambolão, que tem cheiro de fruta madura para atrair morcego. A maioria exala odor o tempo todo, mas algumas só fazem isso quando escurece para chamar visitantes de hábitos noturnos, como a dama-da-noite, que busca a mariposa.
E AS FOLHAS?
Há folhas que também têm perfume, como manjericão, eucalipto, capim-cidreira. Algumas têm função definida, como a de citronela, que afasta insetos e pragas. O aroma é tão eficiente que fabrica-se óleo de citronela para ser usado como repelente. E o cravo-de-defunto tem cheiro que afasta pragas e serve para produzir inseticida.
CORES VARIADAS
Toda flor tem um recurso para atrair o bicho polinizador, mas nem sempre é o cheiro. Algumas, principalmente as que chamam a atenção de pássaros, têm cor forte e vibrante, mas não têm perfume. O mulungu-do-litoral, por exemplo, produz bonita flor vermelha que chama a atenção dos passarinhos.
É importante que seja colorida, porque se fosse toda verde, insetos e aves não conseguiriam identificá-la do alto, confundindo-a com as folhas das plantas. Antigamente nem toda flor era assim. Essa característica se desenvolveu aos poucos ao longo de milhares de anos, de acordo com as necessidades de cada espécie.

Saiba mais: http://www.dgabc.com.br